Buscas podem prever o futuro

Em uma ótima matéria do New York Times, é contada como John Battelle, fundador da Wired, previu o que ele chamou de “The database of intentions”, que traduzido seria a Base de dados das intenções. A teoria é que, com base nas buscas realizadas em sites como Google e Yahoo, é possível prever o comportamento do usuário e o que ele deseja. Por exemplo, se alguém digita “nomes de bebês”, é provável que ele em breve tenha um filho.

No artigo, eles demonstram como é real a previsão do futuro pelo resultado do American Idol. Antes mesmo do resultado ser anunciado, Taylor Hicks, o vencedor, tinha larga vantagem sobre que a sua concorrente, Katharine McPhee na quantidade de buscas realizadas.

A verdade é que esta é uma mina de ouro de informação que nenhuma mídia sonhou em ter. As possibilidades de prever tendências e de aproveitar oportunidades são incalculáveis. Imagine como o departamento de marketing de grandes empresas poderiam atingir exatamente o desejo de seus clientes.

Parte desta informação, claro que em uma escala muito menor, já pode ser aproveitada. Através da análise dos logs de acessos de seus sites e de campanhas de links patrocinados, os dados podem ser organizados e analizados da mesma maneira que as empresas fazem com suas bases de dados em ações de CRM. Sabendo com que palavras as pessoas chegam ao seu site e fecham negócios, você pode usar aproveitar estas informações e usá-las inclusive em canais offline.

Em um processo de feedback, seus produtos, sites, folheteria podem ser mudados para atingir melhor o público-alvo graças a estes resultados. A internet é um canal interativo e barato, mas que não deixa de ser como um Big Brother. Cada clique pode ser monitorado. E você, o que faz com a informação? Descarta ou gera conhecimento?

2 Comentários »

  1. Henrique Linhares

    September 25, 2006 @ 6:27 pm

    Na minha opinião os buscadores são os websites mais importantes da web. Sobretudo para a web2.0. Existem mais de 11 bilhões de sites ativos e uma quantidade enorme de websites inativos. Imaginem como será daqui a 10 anos sem o aperfeiçoamento dos players de busca.

    abraços, ike

  2. Techbits

    March 9, 2007 @ 10:48 am

    Web 3.0 = 4C + P + PV…

    Já estou ouvindo as pedradas, mas vamos lá. O termo web 2.0 não é o que podemos chamar de unanimidade na blogosfera, imagine então começarmos a falar de web 3.0. E primeira vidraça foi quebrada. O ótimo Read/ Write Web publicou no mês passado…

TrackBack URI

Comente